domingo, 23 de novembro de 2008

História

Maria e o sol

Era uma vez, num país muito, muito, muito distante do Brasil, um país chamado Rússia. Nesse país, há 25 décadas , havia uma floresta muito famosa, chamada Floresta dos Urubus, era famosa pois nela havia um palácio. Nesse palácio viviam: a Rainha Jéssica, o Rei Carlos e a princesinha Maria.

Maria desde pequena queria conhecer o sol. Mas seus pais sempre falavam a mesma coisa:

- Maria, você precisa entender que não dá para você conhecer o sol por dois motivos: o primeiro, porque o sol é infinitamente longe da terra, e o segundo...

- Eu posso ir de foguete pai. - Interrompia Maria.

- ...porque se você for conhecer o sol, você se queima, e também não existe foguete que consiga chegar no sol, entende?

- Não pai, eu QUERO conhecer o sol de qualquer jeito, nem que eu tenha que construir um foguete com meus amigos!!!

- Maria, não tem ninguém para te acompanhar, nenhum adulto. E mesmo que tivesse, você não pode e não vai para lugar nenhum!

E essa conversa durou 2 anos sem que Maria fosse para o sol. Mas, um dia, os pais tiveram que viajar. Maria aproveitou e chamou Pedro, João, Danilo e Vitória, seus amigos que moravam ali perto do palácio para eles começarem a fazer o foguete, na verdade eles só iam desenhar, para depois construir. Maria arrumou uma cesta com uma toalha, pratinhos e muita comida. Também pegou lápis, borrachas e papéis.

Exatamente às quatro da tarde, os amigos se encontraram no lugar de sempre: um armarinho debaixo da escada do sótão. Quando chegaram lá, viram que Maria tinha caprichado: dentro do esconderijo, viram duas mesinhas, ambas com cinco cadeirinhas em volta. Uma das mesinhas, Maria colocou na frente das cadeirinhas um bloquinho de papel, um lápis e uma caneta. A outra, cobriu com a toalhinha, e em cima colocou as comidas e na frente de cada cadeirinha colocou um pratinho.

Maria explicou que o bloquinho, a caneta e o lápis era para cada um desenhar como preferia que ficasse o foguete e depois fariam um sorteio que o desenho que ganhasse iria ser o escolhido para ser feito. Começaram a fazer, depois de 15 minutos, terminaram e fizeram o sorteio, o que ganhou foi o de Maria. Mas como estavam com fome, marcaram para cada um trazer algo no dia seguinte para começarem a fazer o foguete. Depois comeram e marcaram a hora , seria as quatro da tarde.

No dia seguinte, cada um estava com suas coisas na mão: cada um com um pedaço de papelão, cola e tesoura. Agora me perguntem: como eles vão fazer um foguete de papelão? Bom, eu não sei, e mesmo se soubesse, não está na hora de falar.

Depois de 2 semanas, finalmente o foguete estava pronto. Maria, João, Pedro, Vitória e Danilo entraram no foguete e decolaram, só havia um pequeno problema: estava de noite, então eles resolveram primeiro ir ao Brasil, pois lá estaria de dia, demoraram 8 horas para chegar até lá, mas chegaram! Queriam descansar, mas não tinha lugar, pois eles tinham esquecido de levar dinheiro, então foram direto para o sol. Chegando lá, claro que o foguete começou a pegar fogo imediatamente! Mas aria sempre carregava na sua bolsinha um pouco de pó de pirlimpimpim. Quando aria jogou um pouco neles, imediatamente Maria acordou.

Será que vocês estão se perguntando: como assim, Maria acordou? Sim, Maria acordou! Maria simplesmente estava sonhando! Não a parte que ela queria conhecer o sol, isso ela queria, até ter esse sonho, pois depois nunca mais queria ouvir a palavra sol na vida dela!




Autora: Sofia Pombo de Barros Salvador Timóteo.








Gostaram?


5 comentários:

DIARIOS IONAH disse...

mito massa e eu dei umas boas risadas...
so você mesma Sofia......
que bom ter uma historia tão boa para se ler assim neste domingo quente valenciano,,,
beijos
te amo....

caligrafiasdasrta.sofia disse...

Ainda vou fazer outra, mas não sei o tema... Qual você sugere?

M. Chauvin disse...

Ah, muito bom mesmo! Você é muito criativa... E escreve muito bem, melhor do que muitos adultos por aí.
Cultive sempre a sua imaginação! Você vai longe ;)

caligrafiasdasrta.sofia disse...

Obrigada Mariana.

Madu disse...

Que peninha Maria ter acordado, eu estava tão feliz viajando com ela...